IMUNIZAÇÃO

BH tem vacinas para 8% do público-alvo contra dengue: faltam 77 mil doses

Até o momento, capital aplicou 43 mil doses das 49,5 mil recebidas

Por Dijoan Santos
Publicado em 02 de abril de 2024 | 13:38
 
 
 
normal

A Prefeitura de Belo Horizonte tem, em estoque, cerca de 6.500 doses da vacina contra a dengue. O valor equivale a aproximadamente 8% das quase 77 mil pessoas entre 10 e 14 anos que ainda não se imunizaram. A administração municipal afirmou que aguarda o envio de novas remessas por parte do Ministério da Saúde. 

Até o momento, conforme a PBH, foram aplicadas cerca de 43 mil doses da vacina contra a dengue, considerando o público de 10 a 14 anos. A vacinação segue nos centros de saúde. 

“Belo Horizonte está utilizando as doses em estoque para imunizar o público e aguarda o envio de novas remessas por parte do Ministério da Saúde. O grupo elegível para ser imunizado neste momento, contemplando as faixas etárias entre 10 e 14 anos, é formado por cerca de 120 mil pessoas”, disse a PBH.

Além da baixa quantidade de doses por público-alvo, a capital deve se preocupar com outras situações. As 6.500 doses têm validade no mês de junho deste ano.

No final de março, o Ministério da Saúde anunciou que vai redefinir a estratégia de distribuição das vacinas da dengue. A medida busca o melhor aproveitamento das doses seguindo um novo ranking estabelecido pelo Departamento do Programa Nacional de Imunizações (DPNI). A proposta é avaliar os dados epidemiológicos atualizados e os estoques de vacina em cada unidade da federação. “Estamos trabalhando com respaldo dos conselhos estaduais e municipais de saúde e do nosso comitê técnico para que possamos aproveitar as vacinas que não foram utilizadas neste momento. Vamos fazer a redistribuição das doses que não foram aplicadas usando um ranqueamento dos municípios que estão em emergência por dengue”, explicou. 

A reportagem procurou o Ministério da Saúde sobre a possibilidade de retirar doses do estoque atual da capital mineira e aguarda resposta. A pasta da saúde também foi indagada sobre previsão de novos envios, mas também não repsondeu.